Translate

segunda-feira, 23 de maio de 2016

É já a última hora!

"Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo também agora muitos se têm feito anticristos; por onde conhecemos que é já a última hora" (I JO 2:18).
   A primeira carta de João foi escrita com o propósito de alertar acerca dos falsos ensinamentos que estavam permeando a igreja naqueles dias. Embora em nenhum momento cite o nome do apóstolo João, há um consenso geral na credibilidade de sua autoria. A carta foi escrita por volta do ano 90 d.C. e era direcionada às igrejas do primeiro século. 
   O gnosticismo estava começando a ter proeminência naquele período. Segundo o gnosticismo a matéria é essencialmente má, e o espírito essencialmente bom. Como o corpo é matéria, não podia ser bom, o que resultava na crença de que Jesus não havia se manifestado em carne. Surge daí duas condutas em relação ao corpo: 

ASCETISMOdoutrina filosófica que defende a abstenção dos prazeres físicos e psicológicos, acreditando ser o caminho para atingir a perfeição e equilíbrio moral e espiritual (Significados); 
 LIBERTINAGEM - privilégio da liberdade desenfreada. 

João afirma a tal respeito: "Nisto conhecereis o Espírito de Deus: Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já agora está no mundo" (I Jo 4:2,3).
   O propósito do agnosticismo é a libertação da matéria que pode ser alcançado através de um saber mágico, um conhecimento transcedental (a gnose). Como a partícula divina já está aprisionada no homem, nenhuma atitude sua poderia melhorar ou piorar sua natureza, o que se requer é a liberação dessa partícula através da aniquilação da matéria. Todavia, a Bíblia deixa bem claro que o corpo também será salvo, o homem é um ser completo e será salvo por completo (I Co 15). 
   É com o propósito de combater tais heresias que João escreve sua epístola.
   No capítulo 2, ele faz um alerta acerca da proximidade do fim. A mensagem era tão urgente que João a declara duas vezes no mesmo versículo: "É já a última hora" (I Jo 2:18). Paulo em sua carta aos romanos alerta que: "[...]porque agora a nossa salvação está mais próxima do que quando cremos" (Rm 13:11b).
   Naqueles dias muitos falsos mestres se levantavam trazendo um ensino contrário às escrituras e João os chama de anticristos, opositores da verdade. Nos dias atuais não é muito diferente, todos os dias vemos novas heresias surgindo no seio da igreja e muitos se têm deixado seduzir por esse falsos ensinos visando alcançar benefícios materiais. É preciso muito cuidado para não cair em engodos que só levam ao afastamento da verdade bíblica: "Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente" (Ef 4:14). Faz parte do processo de amadurecimento cristão buscar conhecer a palavra de Deus para não ser levado ao erro. A Bíblia deixa bem claro que a manifestação do Espírito é dada para o que for útil: "Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil" (I Co12:7). E podemos ter certeza de que engrandecer nome de homens, nomes de denominações, de organizações ou qualquer outra coisa que seja, em substituição à honra devida ao Senhor não é uma das utilidades da manifestação do Espírito Santo. Deus não divide a sua glória com ninguém:"Eu sou o Senhor; este é o meu nome, a minha glória, pois, a outrem não darei" (Is 42:8 b).
   Os falsos mestres apostataram da fé. João afirma que: "Saíram de nós, mas não eram de nós" (I Jo 2:19). Eles fizeram parte da igreja, mas foram levados pelo engano e se desviaram proclamando um ensino totalmente oposto à Palavra de Deus. Afirmavam serem possuidores do conhecimento (gnose) que os libertaria. João se contrapõe a essa afirmação declarando que os que pertencem a Deus têm o espírito Santo que revela a verdade: "E vós tendes a unção do Santo, e sabeis todas as coisas" (I Jo 2:20; 27). Essa afirmação de João é bastante interessante, pois o véu foi rasgado e nos foi concedido acesso direto ao Pai. Temos o Espírito Santo para nos guiar a toda verdade espiritual, não precisamos recorrer a 'gurus espirituais' a fim de que nos deem alguma revelação secreta da parte de Deus. Toda a revelação de que precisamos já está contida na Palavra, ao nosso alcance. O problema é que, em alguns casos, há um certo comodismo em buscar respostas prontas ao invés de beber da própria fonte que são as Escrituras sagradas. É mais fácil ir em busca de uma 'profetada' do que buscar a Deus em oração, jejum e meditação na sua poderosa palavra.
   João alerta também para a necessidade de se estar alicerçado nos fundamentos cristãos: "Portanto, o que desde o princípio ouvistes permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Filho e no Pai" (I Jo 2:24). Essa é uma condição para permanecer em cristo e significa permanecer unido no coração, no pensamento e na vontade. Jesus também avisou sobre o perigo de olhar para o passado da existência com saudade, abandonando a graça: "Ninguém que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus" (Lc 9:62).
   A promessa que o Senhor Jesus nos fez foi a vida eterna: "E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna" (I Jo 2:25). Estamos vivendo uma época em que se promete tudo em algumas das grandes reuniões ditas cristãs, menos a salvação, menos um relacionamento pessoal com Deus.
. Casa, carro, prosperidade financeira, curas de doenças, vitórias e conquistas, afinal o crente não pode perder nunca segundo tais doutrinas. Não quero dizer que Deus não possa fazer essas coisas e nem que, a exemplo dos ascetas, temos que amar o sofrimento. Não é nada disso. É louvável conquistar as coisas com o fruto do nosso trabalho ajudados por Deus. É louvável buscar viver uma vida confortável. Mas essas coisas são passageiras, não são a prioridade de Deus na vida do ser humano. O desejo de Deus é que seus filhos cheguem ao conhecimento da verdade: "o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade (I Tm2:4). O crente passa sim por provações e dificuldades, mas há promessa da manifestação da glória de Deus em sua vida: "Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que não se vêem, porque as que se vêem são temporais, mas as que não se vêem são eternas" (II Co 4:17-18).
   João termina o capítulo 2 de sua epístola com uma afirmação poderosa: "Se sabeis que ele é justo, sabeis que todo aquele que pratica a justiça é nascido de Deus" (I Jo 2:29). Não é possível uma árvore boa dar frutos ruins e vice versa. Quem é de Deus deve andar como Jesus andou (I Jo 2:6). Não há como ser de Cristo e viver uma vida de injustiça, mentiras e desonestidade. No Brasil existe a cultura do 'se dar bem', do famoso 'jeitinho brasileiro', onde o que se leva em consideração é a vantagem que se pode tirar das situações e não o valor ético das atitudes. Independente das vantagens que nos sejam apresentadas em uma situação onde alguém seja prejudicado, onde a mentira prevaleça, onde haja corrupção e desonestidade, é preciso uma conduta condizente com a palavra de Deus. O verdadeiro arrependimento produz frutos dignos: "Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento" (Lc 3:8 a). E essa produção de bons frutos não é mero esforço pessoal, é obra sobrenatural do Espírito Santo.

   Que possamos entender que o surgimento de falsos ensinos é um dos sinais da proximidade da volta de Cristo (Mt 24:11), e que procuremos estar sempre prontos para esse grande evento: "Vigiai, pois, em todo o tempo, orando para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer, e de estar de pé diante do Filho do homem" (Lc 21:36).


Paz e até.

Um comentário:

  1. A Paz do Senhor. Irmã em Cristo Fernanda, um ótimo texto para alerta da Igreja.

    Jesus advertiu os seus seguidores contra os falsos mestres. Muitos oradores eloquentes afirmam ter importantes ideias para os ouvidos dos cristãos. Existem, literalmente, centenas de seitas competindo para recrutar novos membros. Podemos acrescentar à lista aqueles que apresentam aspectos sociais sobre a doutrina da igreja, e que surgiram de pequenas e grandes denominações — existe uma fascinante exibição de escolhas. Jesus queria que seus seguidores fossem capazes de separar os bons (ensinos que levam a Cristo), dos maus (ideias paralelas, aparentemente saudáveis, que alguns tentam incluir no Evangelho), e daquilo que é pernicioso (os falsos ensinos).

    Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

    abraço fraterno
    Pastor Ismael

    ResponderExcluir

Adorei sua visita! Deixe seu comentário!